Meia Maratona Internacional Do Rio De Janeiro

Meia Maratona Internacional Do Rio De Janeiro

Cinco meses depois da minha Maratona na Cidade Mara, eu voltei a correr lá.

Lembro que quando terminei os 42.195km, vomitada, acabada, abalada e traumatizada eu disse que jamais correria qualquer outra prova no Rio.

Mas sou cabeça dura, teimosa. Aceitei o convite do Eu Atleta e encarei o desafio.

Cheguei a acreditar que poderia ser bom! Ou que não fosse estar tão quente. Ou que um santo ia descer e eu não ia sofrer. Ou que um milagre fosse acontecer e eu iria ter RP… Mas não rolou nenhum teretetê.

O mesmo calor. O mesmo arrependimento. O mesmo sofrimento. Só não digo que foi igual pois na outra tinha 21km a mais. Ah! E desta vez não passei mal! Pelo menos isso!

Mas já adianto… Foram os 21 mais sofrido da vida. Sem exageros.

Não sei se fiquei com bode de correr no calor depois da maratona, ou se foi tudo isso mesmo. Só sei que o Sol me castigou. Doeu lá dentro. Acho que passei 12km só pensando no fim. Sem exageros também.

Cariocas, não me julguem! Eu sempre fui fã número 1 da terrinha de vocês. Tanto que minha estreia em Meia Maratona foi aí. E era pra minha estreia em Maratona também ter sido, mas inventei Buenos Aires no meio do caminho. Graças a Deus! Fui muito feliz nesta decisão!

Mas vamos voltar ao que interessa…

Estava super empolgada! Qualquer prova me deixa assim! Fico feliz de verdade em correr.

E mesmo estando em outra cidade, encontrei muita gente conhecida. O Brasil inteiro estava lá, juro! Muito bate-papo, muita animação e o mais legal, largar bem atrás dos profissionais! Um pelotão bem tranquilo e organizado. Ponto pro EU ATLETA.

Já larguei de top pois até parada estava suando horrores!  Achei que estava mais preparada psicologicamente para o calor. Mas não. Logo no começo já senti que seria difícil.

Para fazer este post fui conferir meu Garmin Connect e vi que até o km 5 fui super bem. 5:20 de média. Sério, gente… não tinha visto isso até agora!

Não lembro como e quando meu ritmo caiu. Só lembro que o Sol nos meus ombros me irritava profundamente. Até o km 10 já estava com uma média de 5:40.

Passei por um dos pontos onde vomitei na Maratona e lembrei exatamente do quanto foi sofrido aquele dia. Me arrepiei só de pensar. E por alguns instantes também pensei que não aguentaria.

Os km foram passando e o cansaço aumentando. Encontrei a Karen (@kassus) em Ipanema e fiquei muito feliz em vê-la! Mas a minha vontade era parar ali, fofocar, tomar um açaí e dar um mergulho no mar!

Ah, o mar… Só olhava aquela belezura e pensava que no final eu teria ao menos esta recompensa. Um mergulho no mar!

E assim fui seguindo. Olhando a paisagem, pensando na vida, sofrendo um tiquinho aqui, outro ali, tomando muita água e de repente, sombra nas ruas de Copacabana. Um túnel! Que delícia! Um pouco mais de sombra! Botafogo, e põe fogo nisso! O calor já estava surreal. Flamengo, seu lindo! Você chegou! Tá acabando! Mas não acabava nunca… Chegava quase no aeroporto mas não chegava o retorno. Daí a cabeça já não funcionava mais. Se o retorno não chegava como eu ia voltar tudo aquilo ainda? Sério. Foram os dois km mais longos da vida. Espero que vocês nunca tenham dois km como eu tive neste dia.

Até uma pedrinha conseguiu aparecer dentro do meu tênis e ir me incomodando até o fim…

Mas tá valendo! Tô no Rio, tô correndo, cheia de saúde, cheia de desgraça pra contar, então levanta essa cabeça! O pórtico tá ali, tô vendo! A Thaís! Minha amiga de SP assistindo e gritando! Só mais um pouquinho, vai JULIANA, tá acabando, acabou!

Cruzei a linha de chegada mais esperada da vida! Não fazem ideia do alívio que senti, juro. Respirei fundo e pensei… Rio, você não me pega mais. Olhei para o mar e pensei: tchibum! Este pensamento durou um segundo. Não fui. Fiquei sentada na sombra e nem que me levassem de cavalinho ficaria no mar. Pois no mar tinha Sol, óbvio. E eu queria sombra e água fresca. Queria chuva até. Neve.

Juro que fui caminhando até a tenda do Eu Atleta pensando em como fiz uma Maratona naquela terra. E esta meia serviu para isso. Para eu acreditar que sou forte sim. Nenhum fracote corre 42km no Rio de Janeiro. Bom, nenhum fracote corre 42km em lugar nenhum, eu sei. Mas lá realmente é muito difícil.

Cheguei na tenda descalça, tomando água de coco e ainda mini revoltada com o sofrimento! Doeu gente. De verdade.

Falei pra todo mundo que minha cota de corrida no Rio de Janeiro já deu. Só este ano foram duas meias e uma mara.

Falei pra todo mundo que Rio de Janeiro é praia e caipirinha, não corrida.

Falei pra todo mundo tanta coisa…

Mas pra dizer a verdade, já estou com saudades do Rio de Janeiro! E NUNCA MAIS é muito tempo. Então pode ser que um dia eu volte a te correr CIDADE MARAVILHOSA.

 

 

2 Comentários

  1. Aline disse:

    Oi Ju! Te acompanho aqui e no Instagram. Gosto muito da sua motivação com o esporte! 🙂
    Você não está exagerando. Eu sou de Brasília. Ano passado qnd eu fui me inscrever pra meia do rio, a primeira coisa que me falaram foi pra não correr a meia internacional porque era uma merda: percurso horroroso, muito calor e o horário de largada é muito tarde.
    Então eu fiz a meia (a que é junto com a maratona) e gostei bastante! Mas já me falaram tbm pra não correr a maratona pq é muito sofrimento.
    Eu estava no rio no último final de semana e tava um calor infernal. Parabéns a vocês corajosos que correm essa meia internacional!

    • Juliana Winter disse:

      Ah…. Que fofa!
      Obrigada por me acompanhar nessas loucuras!
      Pois é… fui de teimosa mesmo.
      Minha primeira Meia foi esta que vc fez. Mas o tempo estava ótimo, até garoou.
      Já este ano na Maratona, o calor pegou absurdo.
      Na Victory Tour também fez um calor surreal.
      E nesta Internacional, eu até esperava o calor, já que estamos em outubro e a largada era só 8:35…
      Desta vez aceito os Parabéns!!! haahhahahahahaahaha quem fez esta prova é com certeza um vitorioso!

      Beijos e bons treinos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *