Eu jantei com Carl Lewis!

Eu jantei com Carl Lewis!

De repente meu telefone toca e uma voz do outro lado me diz: “Quer jantar com Carl Lewis?”

Não era trote nem pegadinha! Era a PR da Nike me convidando para um jantar mega exclusivo para algumas pessoas da imprensa internacional. Aceitei na hora, óbvio! E comprovei, ele é muito simpático e divertido!

Brinco que Carl Lewis era o Bolt dos anos 90. Tem dez medalhas olímpicas, sendo nove ouros. E estar ali, cara a cara com ele foi algo surreal para mim.

Quando ele chegou estávamos assistindo ao Atletismo pela TV. E foi naquele dia que choveu pra caramba e a prova ficou parada por alguns minutos. Então Carl ficou com a gente assistindo e comentando.

Sentamos à mesa e eu, bem na sua frente, face to face! Fiquei tensa, sério! Mas o papo rolou solto.

Hoje ele é treinador de uma equipe universitária em Houston. E nos contou como seleciona quem vai treinar com ele:  “O que você me contaria sobre suas conquistas daqui a vinte anos?”

Pronto. Aqueles que ficam nervosos, gaguejam ou pensam para responder já estão fora. Já os que se mostram firmes, focados e aceitam assinar um contrato sem hesitar estão aptos a treinar com ele.

Ele disse ser durão, bravo e sério durante os treinos. E nos contou os 3 mandamentos para ser seu atleta:

1- Não chegar atrasado. E se isso acontecer, você vai ter que subir algumas vezes os degraus da escadaria do estádio e ainda contar quantos degraus havia!

2- Não perder para o cansaço. Jamais parar, sentar no chão ou encostar na parede.

3- Jamais treinar com o celular por perto. Eles ficam nos armários do vestiário. Nada de whats e selfie gente!

Difícil acreditar que com aquela simpatia toda ele seja tão duro assim! Mas ele mesmo não resiste muito tempo a este lado sargento e conta que logo após o treino ele manda uma mensagem para cada atleta elogiando o desempenho daquele treino! Fofo né?

Perguntamos se ele havia redes sociais e ele disse que não é chegado nisso, mas que mandar estas mensagens ao atleta é super importante pois assim se sente mais próximo a eles.

Carl se aposentou das pistas em 1996 aos 35 anos e durante sua vida de corredor nunca sofreu uma lesão.

E sendo controverso a tudo o que estamos acostumados a ouvir e fazer.

“Quase nunca me alongo. E musculação quase não fazia. Os atletas fortalecem tanto a musculatura, que acabam ficando mais suscetíveis a lesões, já que os tendões não conseguem aumentar na mesma proporção. Não fazia muita musculação na época em que corria, hoje eu faço porque quero crescer” diz brincando!

Saí de lá feliz da vida! E com mais uma história na minha mochila! Obrigada Nike!

 

Resultado de imagem

 

 

Fotos: Divulgação

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *